My Click Coach Miami
My Click Coach Brasil

Seja um assinante e receba gratuitamente nossas dicas e informações.

Exercícios para melhoria das enfermidades ventilatórias

 

Já ouviram falar que exercícios como a natação e o remo são bons para asma? Acredito que sim. Mas, como costumo dizer, os exercícios são muito bons para os asmáticos. O que quero dizer com isso é que os exercícios agem muito mais no corpo da pessoa que sobre a doença. Há sim uma melhora no quadro, por vários fatores. Hoje vamos falar de um deles.

 

Quando uma pessoa tem asma ou bronquite crônica, há uma inflamação nos brônquios e bronquíolos (são os tubos e tubinhos que levam o ar para o interior dos pulmões para que o oxigênio possa ser captado). Com essa inflamação, ocorre um inchaço e, assim, diminuição da área onde o ar passa e consequente diminuição da passagem de ar. O resultado é menos oxigênio absorvido e a sensação de falta de ar.

 

A maioria das pessoas não sabe, mas nós fazemos contração muscular para inspirar, ou seja, para colocar o ar para dentro dos pulmões e, na expiração, apenas relaxamos e o ar sai passivamente. Quando há o inchaço dos brônquios, o ar não sai com facilidade e antes de todo ar sair dos pulmões a pessoa inspira novamente. Porém, se o ar não saiu, não vai caber mais ar, e assim o volume de ar trocado é muito pequeno. A pessoa começa a fazer isso aumentando a velocidade da respiração, mas isso não é suficiente para absorver o oxigênio necessário.

 

Como a inspiração se dá por contração muscular e esses músculos não estão sendo usados corretamente devido à dificuldade e expirar, eles vão ficando mais fracos e mais encurtados. Esse encurtamento é tanto que algumas vezes deforma a caixa torácica, desenvolvendo nas crianças o que é chamado de “peito de pombo”. A caixa torácica fica menor e, assim, menos ar poderá ser ventilado. Nesse estado forma-se um círculo vicioso, porque a ventilação fica dificultada devido ao inchaço. Essa dificuldade impede a ação dos músculos da ventilação, esses músculos ficam fracos e não conseguem fazer uma ventilação adequada, mesmo quando não há o inchaço.

 

Uma forma de quebrar esse mecanismo é a introdução de exercícios. Exercícios que provoquem a expiração. Isso porque, quando se força a expiração ocorre, um alongamento dos músculos ventilatórios e expansão da caixa torácica. Esses exercícios são a natação, o remo ou exercícios recreativos, como jogar futebol em uma mesa com bolinhas de papel que devem ser movimentadas assoprando por um canudinho. O que importa é que a expiração seja forçada para que os músculos sejam tratados.

 

Quando a caixa torácica volta ao seu tamanho natural, e muitas vezes pode até ficar maior como no caso de nadadores, o volume de ar que pode ser ventilado é maior e as crises não serão mais tão severas. O exercício pode ainda melhorar o sistema imunológico e diminuir a magnitude das reações alérgicas causadoras, isso no caso da asma. No caso da bronquite crônica, os agentes causadores devem ser retirados, como o cigarro. De qualquer forma os exercícios sempre poderão ajudar e não tem contraindicações.

Please reload

Dra. Ivani Manzzo

Dra. Ivani Manzo é PhD em Ciências pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP - EPM com ênfase em obesidade, gestação e exercício. Lecionou em Universidades por mais de 20 anos e há 10 anos auxilia as pessoas a terem mais saúde e qualidade de vida, prescrevendo exercícios e orientando a alimentação. Atualmente reside nos Estados Unidos, onde trabalha e ministra palestras. Devido   a sua ajuda especialmente a comunidade brasileira, teve seu trabalho reconhecido sendo premiada como Notável da Flórida do ano de 2016. 

Leia mais aqui

Artigos Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload